Sunday, May 31, 2009

Casa dos Criadores | 29 de maio de 2009




No segundo e último dia do evento que ocupou o shopping Frei Caneca, em São Paulo, a platéia continuou na maior empolgação. Enfrentou filas para entrar na sala e para subir ao heliponto, onde assistimos a uma performance de moda.
A noite começou com as Gêmeas, a dupla Isadora e Carol Krieger. Para quem não sabe ou esqueceu, as meninas são louríssimas natuirais e pintaram os cabelos de preto. Ah, esta eterna insatisfação feminina. A inspiração no México ficou bem evidente, apesar das gêmeas afirmarem que preferem ser sutis no uso das referências. Não achei tão sutil assim, já que as blusas com entalhes rendados, feitas em tecidos de listrado-galões e os bordados coloridões tinham tudo a ver com as roupas dos mariachis mexicanos. Nem as calças pretas com galões laterais ficam de fora.
Mesmo sem tanta sutileza (por que esta vergonha da inspiração?), a coleção tem um valor pelo que traz de uso das cores realçadas pelas bases pretas.

Marcelu Ferraz dedicou seu estilo New Navy aos rapazes fortes e coradinhos (segundo o próprio Marcelu). Isto é, gente da praia, sem preconceitos com transparências e amarrados. Pois a sunga do Marcelu é amarrada no lado, uma idéia bastante original, por que não? Pelo menos do ponto de vista teórico da moda, representa uma abertura de criação. Com colares e estampas de ossos – deve ser um Navy que é new por causa destes ossos, que lembram bandeiras de piratas -, passaram as camisetas com profundos decotes em V, pólos, muito verde-fluo. Rapazes de topetes fizeram o elenco coradinho do Marcelu.

Para quem conclui que há ironia nesta avaliação, aviso que está enganado. Quando escrevo que há um estilo sem preconceitos, significa que não contém idéias pré-concebidas. Por que um homem não pode usar amarrados e transparências? Porque fica menos homem, é a resposta em geral. Desde quando um laço define o sexo? Desde que se convencionou que rosa, laços e flores são detalhes femininos. Convenção é uma história gerada por gente que faz questão de criar identidades visuais. Alguém ainda acredita em identidade imutável ao longo dos séculos e das civilizações? Então, no mínimo tem que estudar indumentária e ver que muito homem já foi para guerras com plumas no capacete e muito rei mandou muito coberto de rendas e laços.


No hay banda é um coletivo, dos poucos que dão resultado homogêneo. A luz, seus reflexos e a refração foram pontos de partida para a série de vestidos montados em pregas e recortes, em gelo, azuis e brancos. Assimetrias nos decotes e nesgas são detalhes visíveis em meio a modelagens elaboradas em curvas e geometrias mais rígidas.

Tony Jr. criou propostas para a mulher que aprecia a Arte. O trabalho de maquilagem do Max Weber quase roubou a cena dos vestidos em tons de pele, verde e coral, com triângulos coloridos aplicados em decotes e palas. Repetiu-se o efeito de bocão, tipo McQueen, mas as cabeças com adereços quase-egípcios deram bons efeitos.

Um dos pontos altos da noite e da 25ª Casa dos Criadores foi a interferência fora da agenda oficial, com roupas feitas em moulage com tecido de pano de chão. Todas, vestidas por modelos negras, representando o poder emergente das classes C e D. Muito bom, o trabalho de Renan Serrano e Fernanda Ruiza, apresentado a princípio como um defeito nos equipamentos de datashow.

Andréa Ribeiro faz Diva, a grife sempre feminina e delicada ou glamorosa. Desta vez, Andréa superou seus limites em matéria de feminilidade, chegou a assustar pela quantidade de babados, laços, cristais e flores nos vestidos inspirados por suas coleções de papéis de carta. Uma Maria Antonieta de saias curtas, é a definição que melhor se encaixa no conceito. Muita saia franzida, mangões nervurados com cristais, até os homens usam bermudas e paletós de adamascados dourados. Lá pela terceira roupa, o olhar acostuma com os exageros, e descobre que há um aspecto interessante, na linha de Marc Jacobs e bons cortes, tirando os excessos. Até que um decote contornado por cristais tem seu encanto...

O best-seller O caçador de pipas levou André Phergon a mostrar pipas penduradas como mochilas ou aplicadas em tricôs e calças. Tirando o mote, André alerta para o uso dos tecidos changeants (ou furtacores), em verdes e azuis, os cetins pretos siliconados, os jeans manchados ou raw.

Exagero é pouco perto do trabalho do Walério Araújo. Foi o único do evento a ser aplaudido na entrevista que Maria Prata faz, antes de começar o desfile. Tem um fã-clube fanático, que reconhece o valor do cara que tira as sobrancelhas, samba como uma passista e sabe andar de saltos altos melhor do que muita modelo. Ninguém espera dele uma alfaiataria dura, um drapeado de alta-costura em seda. Nada disso: desta vez, tudo brilhou nos dourados e rendas, nas pedras e na malha metálica dos macaquinhos, macacões e no incrível vestido feito com tampas de azeite. Ok, a causa foi o patrocínio do azeite Andorinha, o que não diminui a graça da imagem na passarela. Para Walério, os homens podem usar bordados com pedras na frente da sunga e sapatos peep-toe.
Muito disco? Repetitivo? Prefiro outra definição: coerência e bom-humor.E viva o Walério!


Final de festa, lá pelas 11 e tanto da noite forma-se a fila para subir ao heliponto do shopping Frei Caneca. Uma tentativa em outra edição da Casa dos Criadores foi frustrada pelo frio e pela chuva. Nesta noite de 12 graus, a chuva deu um tempo e vimos a performance da Onono, um acúmulo de formas em cirê preto, jeans e detalhes em acrílico, como ombreiras quadradas. Nada demais, como se imaginava. Quem exigiria altas modas no alto de São Paulo?

Intervalo / quem usa estas roupas? Nem se faz esta pergunta, no final da Casa dos Criadores. São idéias que talvez estejam nas vitrines daqui a três anos, que atraem gente esperta, que prefere ver ao vivo estes ensaios de moda do que comprar revista internacional para se dizer antenada / na saída, uma multidão na rua Frei Caneca. É o movimento da naite paulistana, que lota os bares e casas noturnas diversas da região entre esta rua e a Augusta. O pobre do taxi chamado para a volta ao hotel só conseguiu confirmar e chegar ao shopping quando já estávamos no quarto, depois de desistir do taxi e subir a rua a pé. O movimento continuou de madrugada: sei disso porque saí do hotel às cinco da matina, para viajar de volta ao Rio. Neste horário, pegamos outro engarrafamento porque a multidão começava a voltar para casa, ao amanhecer, parando só nas carrocinhas de cachorro quente e outras iguarias urbanas nos podrões, como dizem os nativos.


Na Bahia, a Anne Massa, 23 anos, venceu o concurso Novos Criadores da Moda, promovido por Vera Pontes, no evento Expo de Moda. Anne fez uma releitura do trabalho de Fernando Peixoto, arquiteto responsável pelos prédios da Casa do Comércio e do Centro de Convenções da Bahia. Anne ganhou troféu, livros, bolsa de estudos do Senac e máquinas profissionais, e mais o ingresso no projeto Talent Box, que faz incubação e gerenciamento de carreira para novos talentos da moda.

Friday, May 29, 2009

Casa dos Criadores, verão 2009/10




A casa dos originais

fotos Ines Rozario

Sempre digo que em evento, importante é o conteúdo. E que moda precisa de maluquice. Isto faz uma semana de moda com desfiles, o resto é show-room. Também é importante, claro, arremata, porque completa o ciclo profissional da moda.
Atualmente, a Casa dos Criadores preenche estes quesitos de conteúdo e maluquice, de forma impecável, sem mambembices. Se tem um minifestival de bandas de rock, elas são competentes, o som é perfeito, não incomoda nem desafina. Drags desfilam, assim como modelo de muletas, muitas roupas não têm a menor intenção de produção em escala e a platéia é umm desfile à parte.
Nesta 25ª edição, que conta com mais dois patrocinadores fortes, além da Brastemp (com uma nova lavadora do tipo euqueeeero), André Hidalgo ampliou o número de ações. Tem estudio com Erika Palomino entrevistando e a Caixa Preta, onde diariamente um designer expõe suas idéias. Em outra salinha, novos talentos do projeto Lab mostram uma peça e o projeto da coleção – muito bons, por sinal. O pessoal está formando uma geração de gente que sabe desenhar.

Por questões profissionais perdi o primeiro dia, que contou com a participação de Karin Feller no LAB, mais R. Rosner, João Pimenta, Ianire Soraluze, Milena Hamaní, Der Metropol e Gustavo Silvestre.

Segundo dia | 28 de maio de 2009
Os patrocinadores: além da Nivea, chegou a Lezalez, marca premium do grupo Lunender, de Guaramirim, Santa Catarina. Mais um grupo forte catarinense, atenção. Karlan Muniz, do marketing, contou que o nome da grife vem de uma gíria parisiense equivalente a “lado a lado”, que a produção gira em torno de 600 mil peças / ano, e que há um lado inédito no fato de ser uma indústria, a Lunelli Textil, com a construção de uma grife voltada para a moda, focada nas classes A e B, com Raica Oliveira como estrela das campanhas. Para a C, tem a Lunender, marca que tem Claudia Raia como ícone, e produção enorme. “É a primeira vez que a Lezalez, que existe há 3 anos, tem o nome circulando em um evento. Já conseguimos o objetivo, que era despertar a curiosidade”, explicou o Karlan.
Lembrei ao Karlan que existe um marca-atelier no Rio chamada Lez Alez, algo assim. “É, já ouvi falar”, respondeu totalmente cool.
A Nivea fez um miniguia com dicas de beleza

Caixa preta: camisetas engraçadas da Onassis, de Gustavo Saber. Anna Wintour de chifrinhos, Donatella Versace Multi-botox, Rihanna de olho roxo, são algumas estampas. Na véspera, o carioca Ivã Ribeiro, que se baseou em São Paulo, mostrou as peças da A Versão, um toucador de Maria Antonieta, com brins acetinados e rendas contrastados com toques punks de tacheados. Ele vende na galeria Ouro Fino e no bazar Misturinha. E tem um namorado paulista

O lab: na expo, Mariana Perim Rodrigues (não é parente) promete, com camadas. Tule pele sobre base com estampa preto e branca e tênis All Star peep-toe. Referência, mix de soul, blasê e soul.Renata de Moema mostra um pretinho de renda pronto-para-vestir; Andreia S. Passos e Luiz Wachelke muito bons com camada de transparência pele sobre base verde, de cintura baixa. Mais conceitual, promissor, o Alexandre dos Anjos, com uma quase-armadura em couro e plástico sobre singela bermuda jeans. Tatielle Santos fez o lado fofo, com vestidos estampadinhos, lacinhos, etc. E os cariocas Fernanda Amorim e Luciano Rocha, que montaram o projeto todo com tecidos de camisaria, muitos botões customizados, o conforto do algodão como qualidade.

O lab: nos desfiles, destaque para a estampa de esmaltes da Mahogani, o uso anos 1980 dos laranjas. Uma drag-cleópatra desfilou, com direito a pivôs. Danilo Costa deu uma versão fofis dos masculino, com corações, lacinhos e ursinhos em camisetas boas e macaquinhos menos convincentes. Na Twooin, a graça maluca dos franjados de canetas Bic. Capa de revista, na certa!
Arnaldo Ventura mostra que tem mais experiência, montou um drama com soldados em passo de ganso, feridos se arastando, todos com caras pretas de carvão, e uma moda de referências nos uniformes militares, muito bem-feita e criativa. Jadson Raniere decepcionou um pouco, talvez pela idéia de um styling ligado a piratas, meio nada a ver com as roupas.


Os desfiles oficiais: A TudiCofusi continua cofusi, mas traz sinais de inovação no jeans, com cortes distantes dos básicos.
Na Purpure, beach wear de luxo, com fivelões de strass, cristais nos ombros, cinturões de boxeador, lembranças de Grace Jones. Sabem que ficou bom? Gostei até da definição do Wender Silverio, que disse ser uma coleção beach wear “escapista”. Tá certo, escapa até da praia, mas é bacana.
Geraldo Couto começou bem, anunciando a inspiração na Dalida, cantora de sucesso nos anos 70. Vestidões de veludo vermelho, preto, com repuxados e amarrados, turbantes pretos, bojos de canutilhos pretos. Fivelões decorando decotes. Podia ser menor, o desfile. E as modelos estavam sem a atitude de peças tão suntuosas.
Na ADD, Faissal Makhoul faz uma moda masculina em linhos e algodões, um tanto comercial demais para a Casa. Mas há sempre um corte diferente, um abotoado especial, belas calças estreitas.
E a Prints I Like, da Luiza Aguiar? Muito ótima, com estampas (prints) em sedas puras, vestidos curtos e longos, alguns com entalhes azuis nas costas, desenhando decotes bonitos. Rober Dognani encerrou a noite com modelagens elaboradas, muita moulage, assimetrias, verdões e cinzas. As meninas com bocas prata, dispensáveis (ok, ajuda na identificação das fotos). Achei os sapatos pesados demais para roupas tão detalhadas.

Intervalo / entrei numa de ir para São Paulo de ônibus. Sabem aquelas curiosidades estranhas? Queria saber como era o Expresso do Sul, do qual sempre falam tão bem. Pois é bem bom, pelo menos o Executivo. Muito espaço, dois filminhos (O pai da noiva e um outro, com uma menina indiana que joga futebol), bom motorista, o Medeiros. Para quem tem frisson de pressa, o vôo de 50 minutos é imbatível, comparando com as seis horas de Via Dutra. Mas quem pensa no tráfego aéreo congestionado, as pistas sem ranhuras, a rádio pirata que invade o controle, é uma escolha / o hotel da Casa desta vez é o Golden Tulip Belas Artes (na Frei Caneca). Quarto espaçoso, banheira de hidromassagem meio descascadinha, comida ótima, um dos melhores club sanduíches que já recebi no quarto. Internet instável, o defeito, infelizmente. E paga, R$ 15 as 24 horas. Mas é melhor do que o Pestana e o Slaviero, um pouco pior do que o Emiliano, só fica longe do L’Hotel (estes dois meus favoritos em SP). Outro bom, o velho Maksud, que de vez em quando tem tarifas promocionais irresistíveis

Wednesday, May 27, 2009


Começa hoje a 25ª Casa dos Criadores, liderada pelo André Hidalgo, no shopping Frei Caneca, em São Paulo. São tres noites de moda nova, música, performances que incluem subidas ao heliponto (já tivemos uma tentativa no ano passado, mas chovia demais) e até teatro No. Ou será kabuki? De qualquer forma, é um evento de respeito, que revela gente boa.
O croqui é do Jadson Raniere, que integra o projeto lab, os super-novos da agenda. Como se vê, há promessas de transparências e tons desérticos.

Esta é a agenda de desfiles:






QUARTA-FEIRA (27.05.09)

Interferência: Urussai
LAB: Karin Feller
R. Rosner
João Pimenta
Ianire Soraluze
Milena Hamaní
Der Metropol
Gustavo Silvestre

Festival de Música Casa de Criadores:
21h - The Cleaners
23h – Nikita

QUINTA-FEIRA (28.05.09)
LAB [Mahogani, Danilo Costa, Twooin (Juliana Altafim e Najla Dib), Arnaldo Ventura, Jadson Raniere]
Tudicofusi
Purpure
Geraldo Couto
ADD
Prints I Like
Rober Dognani

Festival de Música Casa de Criadores:
21h - Plano Próximo
23h - Dark Disko Republik

SEXTA-FEIRA (29.05.09)
Gêmeas
Marcelu Ferraz
No Hay Banda
Tony Jr.
Diva
André Phergom
Walério Araújo
Heliponto: Onono

Festival de Música Casa de Criadores:
21h – Subburbia
23h - The Junkie Boys

Monday, May 25, 2009




Rochas de novo na moda

Depois de Olivier Theyskens e de um intervalo na parte vestível da marca famosa pelos grandes perfumes, a Rochas ataca novamente nas passarelas parisienses. Marco Zanini é o novo diretor de criação, que preferiu mostar a primeira coleção em uma galeria de arte. Ele considera Rochas a cara da parisiense, uma roupa com feminilidade, usada pela mulher que atrai os homens. “Simples e lógico, um estilo real para uma mulher real”, define Zanini.
Os tecidos são luxuosos, como a seda, georgete, cashmere, lã e tweed. As cores vão do branco e marfim aos toques de rosa-pó, bege claro, cinza-pérola, verde-floresta, azul e vermelho rubi.
A construção parte do vestido-tubo, ícone de guarda-roupas femininos. De dia, com casaco de cashmere dupla-face; à noite, em camadas com vestidos bordados com contas-caviar ou tule branco, formando o vestido raio-X. looks masculinos se alternam com esta feminilidade toda, combinando ternos em tweed macio e smokings em gorgorão.
Zanini aposta na mulher moderna e urbana, aquela que sai para trabalhar de terno e escarpin, vestindo por baixo uma lingerie de seda e rendas. E muito perfume Femme, de Rochas.






Para a marca, pode ser um caminho mais comercial do que os lindos longos do Theyskens, muito próximos dos tapetes vermelhos da vida. Por enquanto, também é coerente que o desfile seja pequeno, quase privê. Os tempos estão mais para lookbooks e cabides em galeria de arte do que para salões e tops,

Sunday, May 24, 2009

Faltam 12 dias para o Fashion Rio



Para que serve uma semana de moda? Além de mostrar o trabalho dos criadores, indica as propostas de uma estação. No caderno de tendências do Senac Rio, as cartelas foram divididas em cores de delícias tentadoras. As clarinhas, são marzipãs, as marrons, derivam dos chocolates; as brancas cremosas, dos marshmellows e as vivas e alegres, dos drops.
Dá sempre uma certa tensão quando propomos cartelas, alguns meses antes dos desfiles. "Será que vão pegar, estas cores?" me pergunto quando monto uma cartela, mais de um ano antes dos lançamentos.
Portanto, é ótimo receber o pré-convite do Carlos Tufvesson, que desfi la no dia 8, segunda-feira, às 20h30, no Fashion Rio. Vejam só o convite: amarelos, laranjas e corais, típicos dos Drops! Se tiver transparências, então, é bingo certo!

Tuesday, May 19, 2009

Fim de tarde na Firjan


Os jovens do programa Despertar para a Moda


Enfim, hoje ouvimos a Firjan sobre a troca de Eloysa Simão por Paulo Borges, no comando do Fashion Rio. O próprio presidente da entidade, Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira convocou repórteres de moda para explicar a mudança.
Vamos por parágrafos:

“estávamos saindo do nosso foco da Firjan, o de fomentar a indústria, qualificar a mão-de-obra, atender às demandas dos associados. Não podíamos mais continuar saindo do objetivo, tratando de montagem de tendas e cachês de modelos.”
“em agosto do ano passado fomos procurados por um grupo do banco Pactual. Foi uma conversa rápida, sem muita importância. Em dezembro, eles voltaram com outra proposta. E em março, enfim, aceitamos a proposta final. Um contrato de 10 anos para o empreendimento do Fashion Rio”.
“Não sabia que a luminosidade era sócia do Pactual, nem conhecia o Paulo Borges. Agora conheço, achei ótimo”.
“Vamos fazer o Fashion Business, a bolsa de negócios que é o grande diferencial do evento”
“A Eloysa foi fantástica, uma grande parceira. Mas a vida é assim. Era uma proposta quase milagrosa, que resolveu o impasse”.

A reunião foi no imponente prédio da Firjan, no conforto de uma sala onde foi possível ver o material gráfico do evento. O ícone é o desenho de um robô meio toy-arte, criado pelo Oestudio, com elementos de indústria e moda, como tesouras, alfinetes e tubos. Na parte de dentro dos convites e folders, uma foto revela uma nova menina dos olhos da Firjan: o programa Despertar para a moda. Trata-se de um esforço no sentido de atrair para as técnicas da confecção e modelagem os adolescentes de 13 a 14 anos. Por enquanto, desde o ano passado o Despertar trabalhou com alunos de uma escola do SESI em Jacarepaguá, mas em breve será aplicado também em comunidades carentes.
Estas primeiras turmas contaram com padrinhos importantes. Jaqueline de Biase, da Salinas, Carlos Tufvesson e Alessa Migani conversaram com a meninada e contaram como pode ser muito mais empolgante trabalhar com moda do que com informática, que é o sonho de profissão dos jovens.

É uma fase de mudanças e transformações. Negociações e acordos novos. De toda esta conversa, conclui-se que o Despertar, se for levado a sério e continuar no ar, pode ser o fator renovador da moda brasileira. Os desfiles e eventos são vitrines para que os jovens mostrem os resultados do Despertar para a moda.

Intervalo / bem, não exatamente um intervalo. Foi um tempinho antes da entrevista, enquanto esperávamos a decisão se seria um encontro no terraço ventoso da Firjan ou em alguma sala no interior do prédio (onde foi, afinal). Tempo suficiente para documentar como se vestir para uma coletiva: Elda Priami, da agência que atende ao setor de moda da Firjan, estava de pantalona preta e blusa branca, sapatilha de bico fino. Patricia Rocha, do site Glamourama, preferiu o jeans branco e o xale palestino. Heloisa Marra, do site do mesmo nome, de preto, mas com uma sobreposição marrom-escuro. Carol Novaes, do Globo, de chemise preto. Quer dizer: o preto predomina nesta temporada meio fria e ventosa, em fim de tarde.



Carol, do O Globo Elda Priami



Patricia Rocha, do Glamourama Heloisa Marra

Monday, May 18, 2009

Programa de segunda



Nada de compromissos na segunda-feira, dia 25: tem que ter um dia de concentração para encarar a expo Yves Saint laurent / viagens extraordinárias, que abre às 20h no CCBB (rua Primeiro de Março, 66, no Centro do Rio de Janeiro. Faz parte dos eventos do ano França / Brasil, e vem com fotos, modelos, os famosos cartões de Natal que o próprio Yves desenhava, sempre com a palavra lOVE escrita.
O convite da expo mostra o cachorrinho favorito do estilista, o Moujik. Na verdade, este já era o Moujik IV, depois que três já estavam no céu dos totós. Vale ver as cores e a combinação de verdes e amarelos com vermelho-pink no coração.

Os convidados que não quiserem gastar os R$60 de táxi de ida e volta (em média, da zona sul ou da Tijuca), podem aproveitar o valet service do shopping leblon e depois embarcar no transfer especial direto para o CCBB. O problema nestes casos é sempre a volta. Quem sabe, como o patrocínio é da Citroën, quem sabe tenhamos uma frota de carros maravilhosos a postos para os convidados?

Faltam 19 dias para o Fashion Rio

O recomeço da Mara Mac

Mara MacDowell buscou no começo de tudo a inspiração para a coleção Verão 2010.
A origem, o simples e o prazer de ser. Tudo, traduzido em conforto e tecnologia, em tons de branco, estampas de células, imagens de desertos e paisagens inóspitas.
Muito trabalho artesanal, moulages e dobraduras. Pespontos inacabados e recortes. Como uma tela branca, pronta para o recomeço.
Segundo Mara, que desfila no domingo, dia 7, a coleção representa um resumo de metáforas e esperanças, perfeita para encerrar a primeira década deste novo milênio.

Saturday, May 16, 2009

faltam 21 dias para o Fashion Rio

Cláudia Simões repete e aprofunda a experiência do evento de inverno: mais uma vez convocou Luciano Canale, da Santa Ephigênia, para assinar o estilo ao seu lado. O conceito é dela, e partiu de uma blusa comrpada em um brechó de Nova York. "Bem velhinha, rasgada, sem uma manga nem gola. Com manchas de guardada. Mas com uma estampa linda, de vitórias-régias", contou hoje, sexta-feira, em almoço japa. Daí veio a coleção amazônica, que pensa também na lenda da menina índia muito bonita, que se transformou na flor que bóia nas águas.
O desfile será orgânico e ao mesmo tempo, urbano. Em vez de penas e cocares, o styling traz acrílicos e óculos coloridos. Claudia quer o Luciano no estilo, porque anda precisando de tempo para administrar as seis lojas próprias, mais as franquias de Campinas, Macaé e Fortaleza, e a partir de agosto, mais Natal e Brasília

Friday, May 15, 2009

Boa surpresa na Dutra






Aquela velha história de que hotel de beira de estrada era sempre de má qualidade, poeirento, barulhento e ineficiente acabou. Pelo menos é a impressão que fica de um fim de semana no Baobá, hotel na Via Dutra, na região de Taubaté.
Reservado depois de uma pesquisa na Internet, o local revelou-se fiel às imagens da telinha. Uma entrada com uma fonte de formas geométricas (ih, desligada, na hora que chegamos), bom estacionamento, gente amável na recepção. Cartão magnético em vez de chave (oba, é moderninho), no caminho dos quartos, a piscina.

Ou melhor as duas piscinas retangulares, estreitas, na medida certa. Quem precisa de uma olímpica em fim-de-semana? Corredor limpo, no meio do caminho um jardim-de-leitura, com banquinho, jardim, silêncio.

Nos quartos, boas camas, piso frio, branco, ar condicionado e TV das fininhas, full HD. Chuveiro maravillhoso, de regulagem fácil. E wifi gratuito! Às vezes um pouco lenta, mas uma conexão muito razoável, principalmente para quem sempre leva trabalho para fazer, descarrega fotos, envia montes de textos.

No café da manhã, um bufê diversificado, com bolos, salsichas, ovos, iogurtes. Não sei por que, o pão em São Paulo não é maravilhoso, mas não compromete. Nem tudo pode ser perfeito, afinal.
Há refeições (cobradas à parte), os pratos são fartos. Boas sopas.
Outra coisa incômoda é a curva que se faz para chegar no hotel. Um verdadeiro cotovelo, súbito, que acaba em uma subidinha. Teria medo de chegar pela primeira vez à noite, porque fica difícil distinguir o caminho certo.

Aliás, nunca vi tanta rotatória como em Taubaté! Lembrei da primeira vez que dirigi na Inglaterra, onde as estradas secundárias têm rotatórias, que lá são os roundabouts. Parece simples, basta dar uma voltinha? Nada disso: lembrem que o carro tem o volante do lado direito, a mão é do lado esquerdo e é uma dúvida absoluta encarar um roundabout: vou para que lado, esquerdo ou direito? Se fosse na França, meu carro teria prioridade, porque lá a prioridade é de quem entra pela direita. E na Inglaterra? Fui pelo instinto, rezando para São Cristóvão.
Diante desta lembrança, Taubaté pareceu tranquila.


Voltando ao Baobá, dava a impressão de ser um hotel recém-inaugurado, de tão novinho. Pois já tem nove anos, o que confirma a boa manutenção. Gostei.

Baobá Hotel
(12) 3609-8000
www.baobahotel.com.br

Quanto à Via Dutra, continua com umas obras intermináveis. Mas o que me intriga é a diferença entre o trecho paulista e o do Rio: por que temos tão poucas opções de paradas decentes para o lado de cá? Depois do Graal de Rezende, só a Casa do Mamão (piada com a do Alemão). E uma Produtos da Roça, decepcionante. Ah, na volta ao Rio, evitem a primeira barraquinha de bananas: mais cara do que qualquer Zona Sul. Uma dúzia, R$ 4!
Na foto do quarto, sobre a cama, está uma boa comprinha para fazer a bordo dos aviões da Air France: uma bolsa de nylon, resistente e dobrável, com espaço para tralhas diversas...

Thursday, May 14, 2009

faltam 22 dias para o Fashion Rio

Menos de um mês para a estréia da nova fase do Fashion Rio. Lugar novo, armazéns do cais do porto, direção nova, da Luminosidade, de Paulo Borges e dono novo, o grupo InBrands.
Hoje, a turma da Maria Bonita Extra, que abre a agenda de desfiles (fora o Rio Moda Hype, no dia 5), está reunida de portas fechadas, tomando as decisões para fazer bonito na passarela. Alberto Renault vai dirigir, Pedro Salles faz o styling, Ana Magalhães assina a coleção, Hiluz del Priori faz a consultoria e a aprovação final fica por conta da Malba Paiva e do Alexandre Aquino.
Até para bater na porta é preciso cuidado, para não perturbar o andamento da reunião. Alguém ainda duvida que moda é assunto sério?

Tuesday, May 12, 2009


Agenda Rio Moda Hype

A turma dos novos ganhou espaço no Fashion Rio. Espaço nobre, já que cabe aos 12 selecionados fazer a abertura do evento. Desfilam todos no primeiro dia, em dois horários, 19 e 20h.
Um grupo forte, vindo de vários estados.
No croqui, um dos principais, que se destacou na edição de inverno, em janeiro, o piauiense Martins Paulo, que usou como referência a obra de Almodovar.

dia 5, sexta-feira, Armazém 3, 19h

Fernanda Yamamoto
Martins Paulo
Bruna Ribeiro
Vitorino
Lore
Júlia Valle

dia 5, sexta-feira, Armazém 3, 20h

Butch
Stefania
Alisson Rodrigues
Jotadê
Ursula Felix
R.Groove

Sunday, May 10, 2009

Chocolates Katz de Petrópolis para o Leblon

by Anita Bernstein

O Gato (em alemão, Katz) levou cinco décadas para deixar a Cidade Imperial, na região Serrana e se instalar com garbo no Leblon. A lojinha que prima pela elegância, chegou e logo virou point atraindo os apreciadores comedidos e claro: os
chocólatras.
No comando, a terceira geração de imigrantes, descendentes das amigas Ruth Bucky da Áustria e Anne Katz da Alemanha. A matéria prima é o chocolate amargo Callebault da Bélgica.
Chocolates em forma de coração, símbolo do amor, imperam entre as sugestões para presentear no Dia das Mães e no Dia dos Namorados. Variam os chocolates isentos de açúcar, e ainda os tradicionais como língua de gato, recheados com cereja ao licor, trufas, bombons com recheio de brigadeiro, drágeas de passas ou levemente crocantes. Tem
inclusive rama ou bombons sortidos Kasher, produzidos segundo os preceitos da religião judaica, sob supervisão do Rabino Berkes.

Entre os itens de confeitaria se destacam doces, tortas como a autríaca Sacher, bolos de
nozes, de laranja, rocambole, bolos artísticos, pão para torrada Petrópolis, supermacio, pão trança redondo com frutas cristalizadas, passas, ameixas ou pingos de chocolate e mais croissants, sanduiches, salgadinhos entre empadinhas que desmancham na boca, para viagem ou para degustar in loco em boa companhia no térreo ou no piso superior. Entre as bebidas, é imperdível o chocolate quente, principalmente o cremoso, mas também podendo optar por amargo, além de sucos, chá, café, capuccino água ou refrigerantes.
No décor predominam as cores da marca, em preto e branco. Projeto do arquiteto Jairo de Sender que completou com iluminação de um lustre todo em cristais na cor preta e clear, assinado pela dupla de estilistas Dolce & Gabbana. Tudo em volta impressiona pelo bom gosto nos mínimos detalhes.

O Katz Leblon funciona de segunda a sexta feira, servindo café da manhã a partir das 10h e fecha às 19h. Sábado funciona até 15h e domingo não abre.
Chocolateria e Confeitaria Katz de Petrópolis
Nova Loja: Av. Afrânio de Melo Franco, 209-A, Leblon, RJ (próximo à esquina da Av. Ataulfo de Paiva)
Informações e reservas, telefone: (21) 2294 7133.
Matriz: Rua do Imperador, 912, Centro Histórico de Petrópolis, Serra, RJ. Tel.: (24) 2231 7769.
Site: www.katz.ind.br


CHAIKITO é a novidade da Chaika, uma frota de motos que agiliza o novo sistema delivery, para encomendas através das loja matriz de Ipanema (21) 2267 3838
ou da filial no Shopping Rio Sul (21) 2541 7119.

Friday, May 08, 2009



Samuel Cirnansck se apaixonou pelos tecidos Pétalas, da Texprima. Criou vestidos de noiva, que foram vistos no evento Casar 2009, no Terraço Daslu (São Paulo), e fizeram o maior sucesso. Os tecidos possibilitam dobraduras e recortes, babados e tiras, sempre com efeitos delicados e modernos.
Depois que comecei a editar a revista Sim!acrescentei o setor noivas às minhas pesquisas de moda. O Samuel já é bom na linha casamentos, e pelo jeito o cetim Princesse e a musseline da Texprima deram toques diferentes nas suas coleções.







Aliás, na próxima revista Sim! publico vários vestidos do Samuel Cirnansck, inclusive o modelo preto, que encerrou o desfile.


www.texprima.com.br

Hoje, sábado (já adianto o relógio) o programa é o bazar das bolsas da Candida Specht, baiana que quer conquistar o mercado carioca. Tem quitutes da Juliana Lobo, que trabalhou como chef no Nam Thay e está de licença de gravidez, mais um chá para acompanhar as compras.
Das 14 às 18h na rua Aperana, 63 ap. 403

FASHION RIO, a agenda

Saiu a agenda (ou line-up, como quiserem) da 15ª e primeira edição do Fashion Rio comandada por Paulo Borges. A função começa no dia 5 de junho, sexta-feira, com dois desfiles do Rio Moda Hype, às 19 e às 20h, no armazém 3 do Cais do Porto.

No Rio Moda Hype desfilam participantes de 10 estados. São eles: Alisson Rodrigues (Paraná), R. Groove (Rio), Butch (Rio Grande do Sul), Fernanda Yamamoto (São Paulo), Julia Valle (Minas Gerais), Lore (Pernambuco), Martins Paulo (Piauí), Stefania (Distrito Federal), Ursula Felix (Bahia), Vitorino Campos (Bahia), Bruna Ribeiro (São Paulo), Jotadê (São Paulo)

Verão 2009/10

6 SÁBADO
1) 16h Maria Bonita Extra
2) 17h Cavendish
3) 18h Melk Z-Da
4) 19h30 Salinas
5) 20h30 Claudia Simões
6) 21h30 Printing

7 DOMINGO
1) 16h Acquastudio
2) 17h30 Mara Mac
3) 19h Teca
4) 20h Graça Ottoni
5) 21h30 TNG

8 SEGUNDA
1) 12h Auslander
2) 16h Apoena
3) 17h Cantão
4) 18h Victor Dzenk
5) 19h Luiza Bonadiman
6) 20h30 Carlos Tufvesson
7) 21h30 Coven

9 TERÇA
1) 16h Walter Rodrigues
2) 17h Luciano Canale para Sta. Ephigênia
3) 18h Alessa
4) 19h30 Lenny
5) 20h30 Giulia Borges
6) 21h30 Tessuti

10 QUARTA
1) 16h Juliana Jabour
2) 17h Filhas de Gaia
3) 18h Totem
4) 19h Espaço Fashion
5) 20h Francisca
6) 21h30 Redley

Saturday, May 02, 2009

Esta é a lista de desfilantes no Fashion Rio. Alguns detalhes a notar:
Não são apenas 15, como foi anunciado antes. São 30.

Sairam: o grupo Rio Moda Hype, Kylza Ribas, Ivan Aguilar, Complexo B, Elisa Chanan, Homem de Barro, Virzi, Lilica Ripilica, Drosófila, Koolture, Luciana Galeão, Marcia Ganem. Nesta edição, deveriam entrar também BumBum e Wöllner. A Sandpiper tinha poucas intenções de desfilar.

A Apoena fica, apesar de boatos dizendo o contrário, assim como a Coven.

Walter Rodrigues, apesar de desavenças no passado com a equipe de São Paulo, também permanece na agenda

Carlos Tufvesson reafirma a vontade de ficar perto das clientes cariocas, desfilando no Rio

No mais, acho que deve ser criado um evento para os novos, que abrigue o Rio Moda Hype e outros estreantes e alternativos. A moda precisa deles, para se renovar.

Quem ficou:

Acquastudio

· Alessa

· Apoena

· Aüslander

· Cantão

· Carlos Tufvesson

· Cavendish

· Claudia Simões

· Coven

· Espaço Fashion

· Filhas de Gaia

· Francisca

· Giulia Borges

· Graça Ottoni

· Juliana Jabour

· Lenny

· Luiza Bonadiman

· Mara Mac

· Maria Bonita Extra

· Melk Z Da

· Printing

· Redley

· Salinas

· Sta Ephigênia

· Têca

· Tessuti

· TNG

· Totem

· Victor Dzenk

· Walter Rodrigues

Friday, May 01, 2009



A semana está cheia de programas que vão agradar às mães. Só que esta visita ao orquidário tem que ser até segunda-feira, porque é uma expo rápida. Mas tem que ver, são lindas as flores, muitas geradas por brasileiros, com nomes brasileiros.
Para os companheiros de moda, é evento fundamental, porque orquídea fornece uma cartela super-atual. Haja tons de violeta, magenta, amarelo, cobre, vermelho, roxo. O orquidário é mantido pelo designer Antonio Bernardo, nosso premiado estilista de jóias.
No Jardim Botânico do Rio de Janeiro, até dia 3 de maio, até as 17h.






A Radical Chic, personagem doidinha criada pelo Miguel Paiva nos anos 80, na revista Domingo do Jornal do Brasil (sei disso, porque na época era editora, e a Radical fechava a última página da revista), dá uma de jovenzinha e agora vai se vestir de Maria Bonita Extra. Pelo menos no lançamento da coleção de livros da lindinha, que será no dia cinco de maio, terça-feira, na Extra de Ipanema, das 18 às 22h. Hum,deve ser happy hour, coisa que muito agrada à Radical Chic.
Maria Bonita Extra: rua Aníbal de Mendonça, 135 / Ipanema | Rio de Janeiro







Ah, vai ou está em Nova York? Sorte sua, fique por aí até dia seis, quarta-feira, para apreciar a expo Models as Muse -Embodying Fashion ou seja Modelos como musa, corporificando a moda. Este título mega se refere a vários ícones e imagens que marcaram e ainda marcam a moda internacional. Tipo tem que ver, no Metropolitan Museum de Nova York.
Metropolitan Museum of Art | 1000, Fifth Avenue | Nova York