Sunday, October 05, 2008

Marras no país da Alice O convite é o mais bonito da semana, como se fosse um caderninho de ilustrações botânicas, com um pop-up de borboletas na página central. O cenário, no mercado do Carreau du Temple, uma prateleira gigante cheia de livros em tons desbotados, no final do desfile também teve várias páginas abertas, mostrando buquês de flores de papel. Lindo. Quanto à coleção, também foi bem bonita, apesar de muito diferente do que se espera do estilo Kenzo. Ok, é preciso renovar, e o Marras conseguiu mudar, mantendo a beleza. Qual foi a diferença? O colorido. Sempre tão vermelho-rosa-laranja-verde-roxo no Kenzo de sempre, em gera l bem interpretado pelo Marras, apareceu...cinza. Cinza, com ou sem brilhos de paetês, metalizados, transparências, conchas, pétalas, linhos, tules e cchiffons. Imaginem vestidos curtos, montados em entalhes levemente franzidos com estas texturas e efeitos. São cores empoeiradas, como definiu o presskit. Aliás, cada lugar tinha uma capa de presskit diferente. O meu tinha a imagem de uma Citisus Nigricans, ao meu lado, era um Chrisantemum Indicum. Isto é que é detalhe, sinal de um orçamento rico. Além dos franzidos e brilhos, vimos a alfaiataria em calças em risca-de-giz cinza-claro, um conjunto de spencer e calça de pregas, barra estreita. O tema da Alice no país das Maravilhas prometia aplicações de bichos de tricô e bordados de pérolas, impossíveis de serem distinguidos da platéia. Uma boa idéia é a carteira rígida, com uma banda elástica prendendo, e uma laçada para segurar na mão. Outra, é jogar uma parka de seda ou tecido com brilho sedoso sobre um vestido ou um maacaquinho bordado. A sabedoria desta fase nova da Kenzo (o próprio saiu do negócio em 1999) é justamente encantar pelo espetáculo. Quando a gente começa a achar triste o excesso de cinzas, o cenário se transforma e tudo faz sentido.

Elie Saab, primaveril
Mais uma inspiração floral, no estilo do libanês que talvez chegue ao consumo brasileiro através das vitrines da Avec, no shopping Leblon. Sem excessos de estampas, Elie representou a estação pelo azul-hortensia, o amarelo-pistilo e o verde-amêndoa. E mais muito violeta e lilás, realçados pelas sedas e cetins dos vestidos curtos ou longos. Foi uma das poucas coleções a lembrar das calças, como parte de tailleur chique. As garotas de cabelos louros, lisos e longos passaram com os curtos arrematados por barras de flores de tecido, em verde-claro; nos longos de sereia em malhas rendadas cinza-gelo. O que anuncia algo novo, a praia alterada, é a série de longos transparentes nos mesmos tons dos maiôs por baixo. Muitos modelos têm a cintura deslocada para cima, só um pouquinho, o bastante para alongar e dar mais elegância. E muitos, muitos curtos ou longos, têm panejamentos longos atrás, interpretação moderna da cauda. O que falta para Elie Saab ser um Valentino? Talvez uma sala maior, mais imponência no show. Roupa, ele já tem. Cabelos: Olivier Lebrun Make: Gordon Espinet, da M.A.C. Manicure: Creative Nails Intervalo / foi uma das poucas vezes que vi uma celebridade convidada ser vaiada. Ela chegou atrasada, entrou com as luzes apagadas. E recebeu o maior UUUUUUh! dos fotógrafos, que já estavam prontos e concentrados para documentar o desfile. Quem era? Nada de tão importante: Mila Jojovich, ex-modelo e agora atriz de cinema. Não justificava tanto mistério / mesmo com vestidos ultra-finos, as modelos carregavam grandes bolsas de couro. Com vestido amarelo, sandálias e bolsa roxa / quase ninguém mais dá o crédito para quem faz cabelos e maquilagem Paul & Joe, na praia No cenário de inverno, o fundo era uma paisagem de montanha nevada, que mudava de noite para dia. Para o verão, as mesmas 24 horas de luz, só que a paisagem era um paraíso de praia, com ilha e mares. Um ambiente perfeito para o estilo férias de luxo, com passarela igual a um deck de madeira. Por ali passaram as calças jeans com laçadas nas laterais, os macaquinhos floridos, as calças drapeadas e as blusas listradinhas com babados na frente, além de shorts e maiôs cavadões. Como férias na praia chic incluem festas, a coleção inclui longos. Um plissado, com laço no final do decote vertiginoso nas costas, uma túnica em pontas, com estampa cashmere em tons de azul, e três modelos em poás: pretos, em fundo rosa; brancos em fundo coral; pretos em fundo branco. A entrada da Paul & Joe estava pior que a Chanel. Só faltou pedirem documentos, de tanto que demoraram para permitir a entrada dos convidados. Deve ser reflexo do sucesso desta moda jovem e usável, mas nada demais.