Wednesday, April 30, 2008



Gisele fez sucesso em coletiva em Berlim, lançando a linha de sandálias Ipanema G2B, desenvolvidas pela Grendene. Engana-se quem pensa que a linda estava vestindo Colcci, marca com quem tem contrato no Brasil. Ela preferiu um vestido Versace, uma das mais recentes grifes para quem fotografa (além da Yves Saint-Laurent, Stefanel, Vivara, Nivea, Pantene, etc). O sapato, incrível, não era uma das gracinhas que a Melissa lançou na feira SIMM, de Madri. Era um Jimmy Choo, um estilo favorito das estrelas de Hollywood.
Mas agradou geral no encontro com 160 repórteres e 70 fotógrafos, no salão do elegante Hotel Adlon, de Berlim. Todos gostaram de saber dos projetos socioambientais apoiados pela bela, em parceria com a Grendene, como o das Águas do Xingu.

A apresentação incluiu os seis modelos para adultos, três infantis da linha Kids e um baby, que fofo.

Grendene e Gisele Bündchen são dois nomes brasileiros com reconhecimento internacional, de verdade.

Saturday, April 26, 2008



Sempre precioso, o guia Addresses Rio, sai agora em edição 2008, com festa na segunda-feira, dia 28 de abril, no São Conrado Fashion Mall, a partir das 22h. Tem que ir e admirar o cenário assinado pelo Antonio Neves da Rocha e curtir o bufê do Demar.
Mas atenção: o estacionamento no terceiro piso custa no mínimo R$ 10, mesmo que se dispense o valet service. Não fica muito claro este preço ou a informação, para quem
se habituou a subir, para sair direto na área mais nobre do Fashion Mall

Na terça-feira, dia 29, a Natan lança o catálogo de Dia das Mães na loja de Ipanema, na Rua Vinicius de Moraes, 111. A partir das 15h


Isabela Capeto segue imprimindo seu estilo e nome em produtos diferentes da sua própria roupa. E com sucesso, já que a Perfumaria Phebo lança a Isabela Capeto Perfume II, na flagship da marca, no Leblon. A Capeto já customizou jeans para a Levi’s e assinou peças para o supermercado Pão-de-Açúcar. O primeiro perfume, no frasco em forma da bonequinha-logo, é vendido até na novaiorquina Henri Bendel
Lançamento na terça-feira, dia 29 de abril, na Perfumaria Phebo (rua Dias Ferreira, 45 B, no Leblon)


Preço depende de muitos fatores. Principalmente se o produto é de fabricação própria ou vem de fornecedor externo. Um exemplo: os bons jeans da Damyller (Barrashopping) custam em torno dos R$ 100. Mas este boné fofo, com lacinho lateral, sai por R$ 69. Uma calça tem muito mais tecido, deve dar muito mais trabalho de produção, mas como é feita na fábrica catarinense da Damyller, relativamente custa menos do que o acessório gracinha.

Em frente à Damyller, fica a Movimento Urbano, com roupas em manequins de 38 a 48. À primeira vista, nada demais. Aliás, até um pouco de enfeites e bordados demais. Olhando com mais atenção e imaginando outros jeitos de montar os looks, até que me interessaram as blusas cache-coeur ou quimonos, em tecidos, com faixas na cintura. Preços de R$ 79 a R$ 138. No caso da mais cara, é uma estampa de flores contornadas por cristais pretos. Demais? Até que nem, acho que ficaria bem com uma calça preta, seca e reta mais um bom escarpin.

Thursday, April 24, 2008

Quem curte moda, gosta também de ir a teatro, cinema e shows. Se em Paris sempre damos um jeitinho de conseguir um lugarzinho naquela fila de última hora na Opéra Bastille ou na Comédie (convém levar um casaco, se for depois de setembro, porque são uns raios de esquinas frias que dóem), e se em Nova York chegamos com os custosos ingressos da Broadway comprados na internet (imperdível, a versão de South Pacific com o brasileiro Paulo Szot como protagonista), para quem vem ao Rio a programação está valendo esquecer da dengue e dos perigos das ruas.

Antes de embarcar, pesquisem para ver se ainda está em cartaz o espetáculo com música dos Beatles, que circula em teatros da zona sul. Os cantores são excelentes, o repertório agrada aos menos ligados no quarteto inglês e aos fanáticos, porque são as músicas mais difíceis de cantar e de entender nas versões originais. Muito bom, empolgante.

A Debora Colker também estreou nova programação. Ainda não vi, mas sei que tem que ser visto e aplaudido. Para quem prefere balé clássico, a Giselle, com Ana Botafogo, no Teatro Municipal, é impecável. E ainda tem belos figurinos, com toques esverdeados nas saias do segundo ato. Deve ser a alusão à floresta.

E mais: Os produtores, no Vivo Rio, em frente ao MAM, no Aterro do Flamengo. Confesso que sou roadie do Matthew Broderick, mas ainda não vi o próprio no palco com The Producers, só o filme. Só que como roadie também do Miguel Falabella, me mandei para o Vivo Rio. Ok, Falabella é Falabella, sempre. Ele canta, dança, faz monólogo impagável sobre as velhinhas da van, traduziu as canções. E o Vladimir Brichta? Que surpresa! O cara dança e canta, tem carisma, é ótimo! No princípio, achei que ele copiaria o jeito (ou desajeito) do Matthew no filme, mas logo mostrou que tinha graça pessoal e desembaraço nas coreografias. A Juliana Paes também está muito bem, desmonta toda a carga de preconceitos que poucos confessam, mas carregam quando vão ao espetáculo.
É um exemplo de carreira bem construída e administrada, com roteiro traçado pelo agente Ike Cruz, que demonstra entender de moda, beleza e talento. Porque sem talento, a Juliana não passaria de uma mulher bonita.

Veham ao Rio, para ver este trio (e todo o elenco, ótimo). Tragam perfume leve (dizem que os mosquitos não gostam de perfume, e é melhor do que repelente), usem calças compridas (para diminuir a pele exposta e reduzir o risco de picadas de Aedes). Deveria dizer para irem de taxi para o Vivo, porque na saída, a entrega do carro demora quase uma hora. É verdade, mas acaba sendo divertida esta espera, porque encontram-se celebridades, amigos, olham-se as modas. Para que pressa de ir para casa?

O espetáculo é longo, dá uma fome daquelas. O cardápio do Vivo Rio é bobo, e acho horrível assistir a uma peça, comendo na cara dos atores. Uma boa, partir para uma pizza da madrugada. Vale a Capricciosa (a do Jardim Botânico, na rua Maria Angélica, é a mais bonita, a de Copacabana, na rua Domingos Ferreira, parece restaurante de Miami), a Pizzaria Guanabara (no final do Leblon, aberta até de manhã).

Wednesday, April 16, 2008



Na platéia, Chris Niklas, a agente Cláudia, Milton dos Santos e eu, bem refestelada


Já, o próximo verão

Passou mais um seminário, o 14º, de tendências, organizado pelo departamento de moda e beleza do Senac Rio. Desde as primeiras jornadas, que reuniam no máximo 250 pessoas no auditório da rua Marques de Abrantes, muita coisa mudou. Mudaram as equipes, passamos por outros lugares, como a sede do Jóquei Clube na cidade e o antigo teatro Ginástico, ou até no CasaShopping. Mudaram as palavras, muita gente diz que enjoou de ouvir falar em tendência ou detesta seminários e palestras. São mais de 600 pessoas na platéia. O evento passou a se chamar Moda +
Enfim, pela 14ª vez confeccionistas, estudantes e participantes de equipes de estilo assistiram às nossas previsões, pela segunda vez vistas nos salões do hotel Sofitel Rio.
Sem comprometer as surpresas e dicas dos seminários (ainda não encontrei palavra melhor) itinerantes, conto algumas previsões importantes.
Antes, vale comentar o aspecto geral. Um salão lotado, com cadeiras dispostas em mesões, como se fosse um parlamento ou uma câmara de deputados; o livro editado com elegância, com design da Marcia Cabral. E o tamanho da sacola, feita pela Andarella? Enooorme, espaçosa.

Mírian Goldemberg enfocou pelo lado da Antropologia, a moda de verão. Falou da nossa mistura, detectada por Gilberto Freyre, dos 3 Brasis que os estrangeiros enxergam: o Rio (praia, sol, carnaval e sexo); Amazônia (ecologia, índio e floresta) e Bahia (mistura geral). Contou da diferença entre francesas e brasileiras. No Brasil, a avó quer parecer com a neta; na França, a filha quer parecer com a mãe.

Guilherme Gaspar, mestre dos jeans, distinguiu vários tipos de modelagem: a skinny, a pantalona, o fit reto e a skinny flare. Citou a Levi’s como referência e aposta no microshorts e na calça branca como bests no verão

Carol Fernandes falou muito mais do que sobre lingerie, que seria seu tema. Indicou bandas e séries como Cashmere Mafia e The Virgins como referências. E disse que charmeuses e chifons estão caindo; tules e liganetes sobem na preferência. O homewear é mais uma frente para o setor.

Gabriel Fellzenszwalb, da In Brands, e Frederico Luz, do grupo Richards, falaram sobre a formação de holdings na moda brasileira, um tema mais do que atual, mediado pela Simone Terra.

O infantil foi bem representado por Denise Bergier e Camila Niskier, da Mercado Infantil. Esta dupla acerta ao apresentar as tendências e comentar o que acham, comercialmente. Elas sabem muito, e apostam em babados, rufos e saias rodadas. A produção da Mercado chega a 40 mil peças por mês.

Marcos Lima estreou na tribuna do nosso seminário, com muito sucesso. É outro que identifica sua marca, a New Order, com as previsões do verão. Adorei quando ele apontou o turquesa como dúvida e mais, indicou o verniz como o turquesa dos materiais! Também acha as cores fluo perigosas e aposta todas as fichas no branco. Foi muito bom.

Daniela Kaplan, da Fiszpan, já virou veterana, depois do nervosismo da participação em setembro passado. Desta vez, confirmou a força dos corações e estrelas, deu Elsa Peretti como referência e avisou que a madrepérola deve voltar no verão.

Milton dos Santos veio com a experiência de quase 20 anos como repórter em Paris e agora como consultor de imagem do salão do prêt-à-porter. Falou do feminino, das novas silhuetas trapézio, das cinturas marcadas, os novos tailleurs com sobreposições e as mangas grandonas, conseqüência da onda de japonismo que anda por aí.

Foi profissional, o evento. E já está começando o trabalho de pesquisa do inverno 2009. Mais uma vez, chamo a atenção: notaram que a primeira década do século 21 já está indo?

Rolam muitos bafafás na moda. O primeiro, a ida da Colcci para São Paulo Fashion Week, carregando a Gisele. Em segundo, a ida da Reserva também. Basicamente, vejo uma diferença na reação das duas cidades, RJ e SP: os paulistas celebram estas adesões. O Rio, quando tem estas marcas, nem se liga. Podia ter um pouco mais de entusiasmo pelo evento local e seus integrantes. Moda não pode ser cool demais
Outro bafa é o caso Alice Tapajós. Laranjas, falências, vendas de pontos, um caos. Uma pena, considerando como Alice foi importante como marca.

Tuesday, April 15, 2008

André vai, Gustavo vem


O paraense André Lima participa da expo Amazônia – Moda, Design e Ecomercado, que se realiza de 17 de abril a 17 de julho no World Financial Center, em Nova York. A curadoria do evento selecionou o vestido com estampa feita a partir de uma ilustração de Vicente do Rêgo Monteiro para o livro Légendes, Croyances et Talismans des Indies de l’Amazonie, de 1923 (Lendas, crenças e talismãs dos índios da Amazônia). Era da coleção do verão 2004, está nesta foto.

Além do André participam também Jum Nakao, Fernando Jaeger e Alexandre Herchcovitch.

Já o Gustavo Lins, que faz parte da agenda de Alta-costura de Paris (só lá tem alta-costura oficial), deverá estar presente no Fashion Rio. Quando conheci o estilista mineiro, há uns três anos, ele criava modelos minimalistas, debruados de vivos de couro. Mas seu sonho já era assinar uma coleção no Brasil, de caráter popular. “Para uma C&A, por exemplo”, acrescentou no estúdio parisiense.


Junho vai bombar
A partir do dia 2 de junho só se fala em moda de verão no Brasil. Vamos direto de Fashion Rio, São Paulo Fashion Week e a Casa de Criadores. Esta será de novo no bom espaço do shopping Frei Caneca, em São Paulo, de 11 a 13 de junho, sob a direção do André Hidalgo.

Premiação de moda
As informações são raras e escassas, mas parece que o prêmio Moda Brasil está andando, afinal. Já tem data, dia 29 de outubro e prazo para entrega de materiais, dia 30 de abril.
O patrocínio é do shopping Iguatemi, o de luxo, de São Paulo.
Além das categorias de moda, como estilistas, campanhas, figurinistas, maquiadores, hair stylists e desfiles, há o pessoal do lado de cá, como fotógrafos, jornalistas e mídia eletrônica.
No júri figuram Paulo Borges, Costanza Pascolato, Regina Guerreiro, Patricia Carta, Bob Wolfenson, Flávia Lafer e Patrícia Veiga.
As categorias de modelos masculino e feminino terá a participação do público, que votará pelo site www.premiomodabrasil.com.br ou pelas urnas dentro do Iguatemi.

Acho uma boa, ter um prêmio de moda. O Rio Sul promoveu um, com muitos festejos e bom nível de isenção. Em geral, estes prêmios e eventos acabam porque os lojistas dos shoppings, que contribuem para os fundos de marketing e promoções, ficam tristes por nem sempre estarem entre os vencedores.
Tomara que o Iguatemi supere este pequeno detalhe.
Outra dúvida é: como a revista Vogue, que tem ensaios maravilhosos do Bob Wolfenson ou o caderno Ela poderão ser candidatos e muito provavelmente vencer em suas categorias jornalísticas, se suas editoras fazem parte do júri?
Que jornalistas façam parte do júri, está certo, porque eles em princípio assistem a quase todos os desfiles. Mas como vão votar em categorias de imprensa?

Sunday, April 06, 2008

Ronda dos shoppings


O Botafogo Praia Shopping está com uma programação animada neste mês. Cheguem cedo, para pegar lugar:
Data: 07 a 11 de abril
Chapiscado com Efeito Acripuff
Horário: 10h30 às 12h30

Data: 14 a 18 de abril
Dinâmica de Grupo - Comportamento
de Sucesso
Horário: 19h às 21h

Data: 28 de abril a 02 de maio
Arte Francesa - Dia das Mães
Horário: 15h às 17h30


Gostei de ver a mudança no Rio Plaza, ex-Rio Off Price. Virou um polo de restaurantes. O Outback já batia recordes próprios, em número de refeições servidas durante a semana. Agora, além da competente Fiametta, do America, do japa com rodízio, muito bem montado, do Joe & Leos, inaugurou um Espelunca Chic, uma Cremeria da Nestlé, com café Nespresso. Fora das comilanças, há uma bela Fast Shop e uma Via Uno, com bons sapatos. Claro, e mais a Tok Stok, sempre ótima, apesar de dar uma subida nos preços.

O Rio Sul continua uma referência aquém-túnel. Mesmo com alguns apagões durante a semana o movimento no sábado foi bom, animado, a praça de alimentação do segundo andar lotada até muito depois das 22h.

Nesta semana vou conferir o Barrashopping, o maior da cidade, sempre com novidades.

Hoje, as escolas londrinas no Rio
Hoje, segunda-feira dia 7 de abril, acontece a Expobelta, a partir das 14h no hotel Sofitel, em Copacabana (posto 6). Trata-se da apresentação da University of the Arts London, por onde passaram famosos como John Galliano, Stella McCartney, Alexander McQueen. Cursos de vários estilos, durações e idades serão explicados por coordenadores nacionais e internacionais.

E na quinta, o cinema americano
Os cursos da New York Film Academy serão temas de palestra de César Mercado, pelo STB (Student Travel Bureau), no dia 10, quinta-feira às 14 h no STB Rio Barra, no shopping Downtown (Av. Das Américas, 500 bloco 4 loja 135)
Serão apresentados os detalhes dos principais cursos que a instituição oferece: Cinema, Atuação, Produção, Animação 3-D, Jornalismo Digital, Roteiros Cinematográficos e programas de verão.
Os interessados podem se inscrever por telefone (21) 3419-5701 e (21) 3419-5702 ou pelo e-mail riobarra@stb.com.br.


Figurino em Paulínia
Parece repetição do post anterior, mas tenho que mostrar esta foto da aula de indumentária da Antigüidade, que foi na sexta e sábado. É a melhor prova que a turma está integrada, disposta a ser uma fonte de bons profissionais: todos se vestiram como gregos e egípcios, com os drapeados e amarrados indicados pelos professores Neyde Themi e J. Gralha, mais a Silvia de Souza como assistente.




Queixas e lamentações

Para que servem os cartões de crédito? Para ter crédito, não é? Não, porque basta passar dois dias da data de vencimento que começam as ligações de cobranças. Se o infeliz não pagou no prazo, deve ter uma razão óbvia: falta de dinheiro. Até pouco tempo, quando isto acontecia, a dívida era acrescida de um jurão, e passada para o mês seguinte, sem blablablás telefônicos.
Agora, é um sem-fim de ligações, que confundem os clientes mais velhos ou desatentos, que acabam pagando em duplicidade, porque esquecem de conferir se o telefonema estava correto, se a conta ainda não havia sido paga.
E quando ligam sem parar, com ameaças de Serasa & Cia, para cobrar R$ 6 por um seguro que ninguém pediu? Pior: quando cobram por um cartão que ainda vai vencer? O pobre ouvinte sai correndo, nem nota que a conta era de uma semana à frente. Como assim?
Tem mais: aquele banco cheio de toys na publicidade, tão simpáticos, miniaturas de telefone, de carros, só aceita cheques de outros bancos, se for pago um cartão de cada vez. Um cheque por conta, é mole?
Nem todos os cartões estão adotando esta estratégia de desespero. Algo deve acontecer com o consumidor, vai ver aumentou a inadimplência e ninguém quer divulgar. Não basta mais aquele juro absurdo, agora tem que aturar os pobres funcionários dos call-centers.

Wednesday, April 02, 2008

O próximo verão da moda


Muita gente me pergunta como será o seminário do verão 2008/2009 do Senac Rio. Não vou antecipar o conteúdo, senão perde a graça, mas adianto algumas coisinhas importantes.
Por exemplo, esta imagem é a capa do caderno, luxuosamente editado pela editora Senac Rio, tendo à frente a Andréa d’ Egmont e no campo, ali, diariamente enviando os e-mails e comentários, a incansável Karine Fajardo. Enquanto isso, a equipe da Ana Cláudia Lavaquial organizava os encontros com os estilistas e responsáveis por grandes marcas, nossos avalistas das tendências.
Sim, porque nestes anos, nestes 14 cadernos, sempre nos preocupamos em mostrar a representantes do mundo da moda nossas previsões, para que eles nos ajudem a tirar conclusões próximas de acertos.
Voltemos ao evento, que será na quarta-feira, dia nove de abril. O dia inteiro, das 8h30 até acharmos que estamos suficientemente informadas. Será o Moda + Visão do Verão 2009, no hotel Sofitel (Avenida Atlântica, 4.240, em Copacabana / Rio de Janeiro).
Custa R$ 447 à vista ou em três parcelas iguais, em cheque, cartões Visa e Mastercard.

Vejam a programação:
8h30: café de boas-vindas, entrega do material. Bolsa lindona, enorme, tipo maxibag, com o caderno e outros ítens
8h45: a Ana Lavaquial, gerente do Senac Rio, abre os trabalhos
9h: A antropóloga Mirian Goldenberg fala sobre o comportamento do consumidor. Cheguem cedo, para não perder
9h30: lá vou eu, falar sobre as tendências internacionais, de onde saíram algumas conclusões. Algumas, porque de verão nós entendemos mais do que muito famoso do hemisfério norte
10h30: nem pensar em sair da sala para fumar. É a vez do Guilherme Gaspar, o cara que sabe tudo de jeans
11h15: Carol Fernandes, craque que desenhou os modelos do caderno e faz parte do estilo da Nu. Luxe, fala sobre lingerie
11h45: queridinha Luiza Bonadiman revela inovações na moda praia e ativa
12h15: intervalo de almoço. Pode ser no Atlantis, restaurante no próprio hotel, no Lopes, dos pastéis (adoro), no Caesar, ali numa das transversais. Nada muito longe, para não perder as histórias da tarde. E nem comer demais, porque, além de engordar, dá um soooono
13h15: Marcio Duek, com a experiência familiar da Boreli e a própria, na Limits, traduz as tendências para a ala masculina. Ele está recém-chegado do Havaí, aloha.
14h: importante, o painel de movimento do mercado de moda. Simone Terra, consultora de varejo conversa com Gabriel Felzenszwald, do grupo In Brands e Frederico Luz, do grupo Richards, sobre as fusões e compras de marcas
15h: Mãe Denise Bergier e filha Camila Niskier comentam a moda infantil, com conhecimento de causa, porque são da rede Mercado Infantil
15h30: Outra dupla, a Valéria Lima e o Marcos Lima (são os irmãos e sócios na New Order) conta tudo sobre acessórios, setor bolsas e sapatos
16h: outro intervalinho, para saborear os pãezinhos e café no coffee break. E conversar com os companheiros de jornada, há bons contatos a serem feitos
16h30: Daniela Fiszpan, da marca com seu sobrenome, detalha as novidades na bijuteria, setor importantíssimo no nosso estado. Quem não gosta de um brinco novo?
17h: o encerramento com o feminino, para dar tempo de fazer perguntas ao Mílton dos Santos. Ele não é estilista internacional, nem super-dono de hyper-marca. Mas sabe muito de moda, porque é agente da Federação Francesa do Prêt-à-porter. Milton vem de Paris, para contar as linhas gerais do verão 2009 e explicar como a Europa vê e o que espera da moda brasileira. Façam perguntas, que ele sabe muito, e valoriza demais nossa moda no mundo.

Enfim, hora de ir para casa e pensar na coleção. Esta imagem é a capa do caderno, que tem o design assinado pela Marcia Cabral, e se refere ao tema Ruadiversa, um dos meus favoritos. Porque a rua é diversificada, tem desde o estilo elaboradamente largado, até o corretamente executivo. Mas também, se tiramos o i do diversa, ela reflete o que a rua tem de adversidades e desafios.

Repararam que a primeira década do século 21 já está indo?