Thursday, February 28, 2008


Hoje é dia de vitrine

Nem vou falar do desfile do Léonard, do Valentino revisto pela nova estilista ou das novidades de Yves Saint Laurent. Hoje prefiro mostrar este pedacinho de vitrine, que só exibe uma foto de uma praia, com lunetas presas no vidro. Os passantes olham pela lente e vêem detalhes da praia. Nada de roupa, só a idéia conceitual do verão e das férias al mare.
O que interessa é a moldura da vitrine, onde está escrito Mode d'impressions - Tufi Duek, nosso Tufi, mais numa vez selecionado como destaque no Au Bon Marché, loja de departamentos de mais prestígio de Paris. A coleção que está nas araras é a do verão passado. Em breve, nos corpitchos das européias.
Dá sempre um susto, ver nossa moda tão celebrada. Beleza, Tufi.

Wednesday, February 27, 2008


o final de Karl Lagerfeld, ele de costas nesta foto, de terno cinza



Nas ruas, só se vê preto, todos de preto dos pés à cabeça. Nas passarelas, muito magenta, algum turquesa, amarelos esverdeados e quase ocres, violetas e verdes. Muito bordado, veludos e outras riquezas enfeitam as coleções parisienses.


Christian Lacroix, eterno mago das cores, apresentou como sempre requintados casacos de grandes mangas, saias com montagem em curvas na cintura, saias em pregas que arredondam a silhueta, muitos relevos de plumas misturadas a fios de lã, em preto, realçando os tons fortes e brilhantes em cetim. Mas no final, admite que o preto domina, nos modelos com aplicações de resina preta sobre golas atas. Não se imagina Lacroix sem estampas, e ele propõe padrões derivados de obras de arte, como o convite, com borrões de cores e texturas diferentes. Ou quadrados de diversas cores, em casacos. Um dos pontos altos, a série de dourados em maravilhosos veludos devorês.

Acessórios: sempre de botas de cano longo e salto alto e braceletes pretos, por Christian Lacroix. Meias pretas Wolford Cabelos: coquinhos enrolados por Odile Gilbert Maquilagem: de sobrancelhas finas e desenhadas, por Stephane Marais No final, Lacroix vem, como sempre conversando com as modelos, de terno de veludo e cachecol preto e branco

Intervalo / na Sephora, uma das minhas atrações favoritas em Paris: unhas postiças adesivas, já com esmalte, duram 11 dias. Por 7,90 euros / o novo perfume do Tom Ford, o Black Orchid, lembra muito a dupla Z-14 e Z-12 do Halston, nos anos 70 / hoje fez frio. A caminho da tenda aos pés da Tour Eiffel, onde seria o desfile de Lagerfeld, fazia 10 graus. Depois subiu para 14, mas com um ventinho...

10h30
Karl Lagerfeld apostou tudo no preto e branco. Calcas estreitas, saias idem, muitas longuetes, severas, germânicas. Mesmo sendo coleção de inverno, há vestidos sem mangas e minissaias armadas com tule. Blazers justinhos, cinturados. Uma série de camisões brancos com coletes de lapelas.
Isabeli Fontana e Raquel Zimmermann, lindas, de braços cruzados, como se estivessem com frio. O final de bordados trouxe o prata em metais sobre preto, nos vestidos transpassados
Acessórios; sapatos amarrados, de salto, Karl Lagerfeld Maquilagem de olhos escuros, por Emmanuel Sammartino para M.A.C Cabelos Odile Gilbert com produtos tecni.art de l’ Oréal Professionnel Sound designer: Michel Gaubert
10h45

Tuesday, February 26, 2008

Russos, espanhóis, coreanos, belgas, há um contingente de candidatos à fama nas passarelas parisienses. Alguns se dão bem, outros devem se adaptar às exigências comerciais ou de conceito.
Alguns exemplos: Gaspard Yurkievich, Sharon Wauchob e o já veterano Martin Margiela.

Gaspard Yurkievich se inspirou no livro The Beautiful Fall, de Alicia Drake. Nunca ouviu falar? Pois então temos outras boas referências: a Paris dos anos 70, invadida pelas modelos americanas e pelo desenhista Antonio Lopes. Década de sucesso de Paloma Picasso, Loulou de la Falaise, Pat Cleveland.
12h40
Começou como sempre pelos pretos, um macacão de alcinhas, uma calça e jaqueta com grandes fechos dourados. Tanto o macacão como a blusa que acompanhou uma minissaia também preta serviram de base para a volta das estampas barrocas de Versace, típicas dos anos 80. Estes lenços em roxo e marrom, os muitos fechos, inclusive nos decotes, e os cristais brilhando também nos decotes fazem um resumo do Gaspard.
Maquilagem: natural, com batom vermelho, por Irena Ruben, com time da M.A.C.
Cabelos: coques desfeitos, por Esther Langham, com a linha tecni.art,da L’ Oréal Professionnel
12h52

17h10
Sharon Wauchob foi uma revelação de elegância e técnicas. Misturou plissados quase Fortuny (também não ouviu falar? Tem na Wikipedia, vai lá, vale a pena), com pences e repuxados, as saias com panejamentos dobrados na frente, as golas cobrindo até as orelhas na alfaiataria, as calças estreitas. Uma silhueta alongada , em pretos e roxos, as mãos nos bolsos, efeitos de regulagem na barra, mas não nas bainhas das saias. Os mesmos plissados e amarrados em tons de areia. Muito bonito.
Acessórios: botas altas, de cano longo, com amarrados e fechos na frente; sapatos com tiras largas de couro franzidas. Meias Falke e jóias Hiromasa Kanai
Beleza: coques baixos, por Esther Langham e make claro por Sally Branka
17h20


19h30
Mais de uma hora de atraso, e ninguém arredou pé da sala dentro do estádio de Bercy. Todos queriam ver o que Martin Margiela e sua equipe de guarda-pós brancos apresentariam para o inverno 0809, como se diz por aqui. Encarapitados em arquibancadas, esperamos pacientemente, ao lado de colegas influentes como Carine Roitfeld, da Vogue francesa e da atriz Marina Hanks, que fez O amante de Lady Chaterley. E o que veio: suéteres de cashmere com enormes golas rulês, colantes de corpo inteiro com panos jogados em um dos ombros, saias com fechos no lugar de bolsos. A figura é estranha, com o rosto quase escondido pelos golões, as pernas de fora com meias e algumas lapelas voadoras. Ué, alguém tem que ser diferente.
19h40

fotos Iesa Rodrigues

Monday, February 25, 2008



Volta ao passado, com encanto

fotos Marina Sprogis
Alguma vantagem deve haver em ter mais de três décadas de atividade, na moda. A principal é reconhecer formas e figuras que inspiram algumas coleções. Por exemplo, revi alguns sapatinhos de verniz com gáspea enfeitada, lembrei de vestidos que a minha editora usava (eu na época, estava de microssaia de jeans e camiseta), os evasês que mal mostravam os joelhos e até revivi um baile de carnaval no Copa, quando armei o cabelo à la leonne, como a modelo alemã Verushka e a linda Carmen Mayrink Veiga usavam.


Esta volta aos anos 60 resume o desfile da Dior, by John Galliano. Segundo o próprio, a inspiração foi na infância em Gibraltar, da mãe usando estes detalhes, toda glamurosa. Engraçado, pela primeira vez alguém definiu os 60 como glamurosos. Este adjetivo sempre se enquadra nos 50 e nos 40. Então, revirem os sebos (no Rio, a rua da Quitanda tem ótimos mananciais de informação), procurem as Harper's e Vogues da época, está tudo ali, além de nos álbuns da família Galliano e na memória de quem teve a sorte de ver e vestir isto tudo.

Intervalo / lembrem, a regra de ouro da moda. Roupa que já vestimos na vida, não se veste mais, sob risco de parecer uma senhora reconstituindo um guarda-roupa antigo /




Algo muda, na moda. Claro, se não mudasse, deixaria de ser este fenômeno que tanto preza as inovações e reviravoltas. Primeiro, uma recessão está à vista, comentada de olhos arregalados e cabelos em pé por todos os que pretendem vender algo nesta temporada. Os Estados Unidos estão com problemas? O mundo está com problemas? Ou como comentou uma repórter do WWD, “parece que há coisas melhores para fazer”, quando descreveu a festa do Oscar e a penúria do desfile no tapete vermelho da cerimônia.
Pode ser tudo isso, mas Paris continua mudando, pelo menos aparentemente, para quem vem de vez em quando. Nas ruas, a silhueta está no triângulo invertido, o casaco evasê ou o anorak acolchoado, com capuz forrado de pele, e o legging (sim, ele continua firme) ou calça skinny. Sumiram as botas sobre os jeans estreitos, predominam os All Stars com meia grossa sobre os collants ou leggings foscos e pretos. Um look que deve entrar, quando esquentar um pouco mais (por enquanto, está entre 12 e 15 graus, mas amanhece próximo do zero), é a evolução da bata, o microvestido estampado, com
minicasaco ou bolero por cima, às vezes com cinto, e calça de alfaiataria na primavera ou pernas de fora no verão. As plataformas continuam e as sandálias metalizadas também, com tiras subindo pelas pernas, como sapatos de guerreiras.

Manish Arora
17h35


Guerreiras não faltaram na coleção de Manish Arora, que trouxe o colorido de turquesas e rubis da Índia, um cenário de panelas e frigideiras de aço inox assinado pelo artista plástico Subodh Gupta e um verdadeiro container de cristais Swarovski nos vestidos-túnicas e longos cobertos com personagens de Disney, como Minnie, Mickey e Pateta, vestidos de guerreiros; armaduras fashion prateadas, com ênfase nos ombros e barras recortadas, pontas espetantes nos cotovelos e joelhos.
As modelos portaram máscaras de tiras, algumas tinham o rosto pintado de prata. O que não foi brilho, foi couro preto, cortado em forma de corações, para montar mais uma armadura cheia de detalhes metálicos.


Para nós, brasileiros, é um tanto carnavalesco. Mas apesar da referência nos trabalhos recentes de Nicolas Ghesquiere para Balenciaga, Arora pode anunciar uma invasão do estilo Bolywood nas tendências, com todo o colorido e riqueza típicos da Índia.
Uma referência já bem filtrada é o figurino da peça montada no final do filme Moulin Rouge. Uma tapeçaria medieval encerrou o desfile, bordada em longo.
17h45
Beleza: cabelos em rabos-de-cavalo altos, saindo do arranjo-máscara, por Asashi@Caren.co.uk; maquilagem por Kabuki, com time da MAC
Acessórios: sandálias guerreiras por Casadei e Fish Fry; meias Falke (malharia maravilhosa, alemã)


Cher Michel Klein
12h35
Começo com som de sapateado, final com versão nova de New York, New York, mas um estilo absolutamente parisiense, com casacos evasês curtos e botas longas. Os modelos clássicos, duffle-coats, ponchos, trench e pulôveres de tricô enormes marcam esta mulher chic e moderna. Quase tudo em preto, claro, mas com interferências de laranja, amarelo e roxo. Para vestir por baixo, modelos de malha justos, colados no corpo ou calças de veludo frapê. Para a noite, aplicações de metal formam quadriculados e barras de saia em vestidos pretos curtos, para ousadas, os longos transparentes com rendas rebordadas de preto.


Bonito, chic e bem francês, o Michel Klein, coerente com o ambiente rico do hotel Intercontinental, antigo e mítico Grand Hotel.
Acessórios: sandálias de tiras grossas, afiveladas, em verniz preto e botas de cano longo, também de verniz


Beleza: cabelos em coque-banana, por Hugo Raiah e make por Rafael Pita, ambos do Atelier 68

Intervalo / na platéia, a brasileira Marcia Giraudy, dona da Rue Jacob, marca de cashmeres. Ela faz suéteres para outras grandes marcas, mora há quase 30 anos em Paris, para onde veio fazer uma pós-graduação em Economia e administração hospitalar / e a plataforma resiste, tanto nas vitrines de verão como nos desfiles de inverno. Está cumprindo o ciclo tradicional da moda, de cinco anos de duração e uso



Jea

Saturday, February 23, 2008

Paris
Coleções outono/inverno 2008/2009

Começa agora a semana de desfiles parisienses. Nota-se uma evolução na busca de nomes novos, mas nem sempre a expectativa resulta positiva. Em todo mundo, é difícil a vida de um estilista iniciante, de conseguir um lugar ao sol, ter uma produção profissional e bons comentários. Tem que ter paciência, tanto quem desfila como quem assiste a estes novatos ou seminovatos, que já circulam nas passarelas do topo do mundo.























Fatima Lopes
18:00: Destes semi, um exemplo é a portuguesa Fatima Lopes, que sempre atrai os fotógrafos por exibir coleções ousadas, com roupas desnudantes. Pois ela parece ter aderido a uma onda de sobriedade que apira no ar do universo da moda. Apenas um modelo tinha o busto revelado por transparência, as cores pararam nos pretos, cinzas e brancos. Vestidos curtos, um toque de Futurismo nos ombros largos e pontudos. E um toque dispensável de geometria nos vestidos de saias armadas por arames. As pantalonas e saias-lápis têm cinturas altas, um ponto que se repete é a minipelerine de tricô, cobrindo os ombros.
Fatima já desfila há alguns anos em Paris, e agora conta com o apoio do Portugal Fashion, principal evento de Lisboa.
Complementos: Nas cabeças, arcos com folhas e penas, mas usados de cabeça para baixo.Sapatos bicolores, de plataforma
Musica: Lady M, um DJ munido de um notebook e só, um bom tecno
Beleza: equipe de Takuya Motohashi para Menard.
Onde: hotel Westin, na rue de Castiglione
18h15





Ivana Helsinki
20h05: uma estreante, vinda da Finlândia, com a sala cheia de convidados pessoais e pouca imprensa. A maioria dos colegas ainda está em Milão, deve chegar no domingo. Mas a Paola Ivana se jogou na passarela do hotel Westin para mostrar que segue o que parece ser a onda contemporânea da moda global. Isto é, mangas grandes, franjados e muito cinza. Mas nestes pontos, fica mal na comparação com os mais experientes. As mangas parecem exageradas demais, os franjados são feitos de tecidos em tiras. Nos cinzas e nos tricôs, as coisas melhoram. Em malha delicada, parecendo cashmere, destacam-se os vestidos de alcinhas, com busto franzido; para a noite, os vestidos sedosos têm bojos. O tema Birdring (poleiro de passarinho) motiva estampas com pássaros. Como todo desfile de estréia, foi um tanto longo.
Complementos: sandálias com polainas franjadas
Beleza: cabelos louros e lisos, como da própria Paola, na maioria das modelos. Pela mesma equipe da Menard, que fez Fatima Lopes
Onde: salão Concorde, do hotel Westin, na rue de Castiglione
20h25
fotos: Silvia de Souza

Intervalo / quem encontro no Westin? Paula Rita Saady, ex-aluna no Senac, que está trabalhando na L' Officiel como designer gráfica e filmando alguns desfiles para o site Gema, do José Camarano. Na bolsa, leva um maiô, que a qualquer momento pode ser vestido para Paua encarnar a repórter de maiô, que faz para o site / Paris está começando as vitrines de primavera com listrados e poás

Thursday, February 21, 2008


.

.
.Primeira visão do verão 2009
O salão Premiere Vision voltou a ser uma boa referência para a moda do hemisferio norte. Entre as apostas mais importantes está um reforço no linho, cada vez mais associado a tecnologias que garantem sua modernidade. O couro, em versões muito próximas dos tecidos, as promessas de uma saída das cores neutras, e uma volta aos ácidos, doces, cores de balas e os metalizados. Nem a roupa masculina deve escapar dos paetês e bordados. Segundo a palestra Masculino Plural, os homens se interessam cada vez mais pela moda e por tudo o que ela pode trazer como ingrediente de felicidade e realização pessoal. E olhem que isto começa pelos consumidores asiáticos, principalmente os chineses, que assumem um lado feminino, de gostar de fazer compras e se vestir na moda. A palestra foi pesada, cheia de explicações sobre como foi feita a pesquisa pela empresa Risc, com mais de oito mil entrevistas em diversos países (o Brasil estava incluído na lista). Mas parece refletir o interesse crescente dos homens por um assunto que as mulheres dominam há muito tempo: a moda! É um mercado difícil, o masculino, mas o homem global está se interessando em marcar a identidade do gênero, apostar em desafios e alcançar fama e fortuna. Eles estão descobrindo que talvez a roupa ajude a alcançar estes sonhos.


Nas fotos, aspectos gerais do pavilhão 6, a cenografia delicada do linho, lembrando o que Ronaldo Fraga fez no seu desfile, há um mês, em São Paulo, e as cores de doces e sachês dos fabricantes de algodão da França.


Intervalo / bem, não é exatamente um intervalo, mas um comentário paralelo. O metro RER (rede expressa regional) resolve o acesso até o Parque de Exposições, onde se realiza a Premiere Vision. Custa 3,50 euros, é a última parada antes do aeroporto Charles de Gaulle. O tempo de viagem demora de acordo com o roteiro de paradas do trem, é preciso ficar atenta ao painel que indica as estações servidas, alguns são quase diretos, a partir de Gare du Nord, outros param a cada metro. E a volta para Paris, que caos? Quem fica até o final da feira (quem manda ser maníaca?) invariavelmente vem em pé. Nossa altura média brasileira no meio da galera de 1,80m, usando casacões, provoca claustrofobia, no mínimo. Mas vale o aperto. Desde que se leve em consideração que para a America Latina, principalmente o Brasil, as tendências anunciadas devem ser filtradas pelo nosso estilo e clima. Mais importante é constatar a evolução da onda ética, ecológica, reciclante e preocupada com o meio-ambiente. E ver as novidades de matérias-primas.

Desfile ousado em Brasília
No dia 27 de fevereiro, a Esplanada dos Ministérios vira passarela para bem pouca roupa. O desfile organizado pelo site www.finissimo.com.br comemora a segunda edição do Dia Nacional da Roupa de Baixo, inspirado no National Underwear Day, de Nova York. Imaginem o agito na Rodoviária de Brasília, com belos e belas andando de cuecas, calcinhas e sutiãs de marcas como Scala, Colcci, Lupo, Verve, Calvin Klein e Foch. Segundo o Instituto de Estudos de Marketing Industrial o Brasil produz mais de 140 milhões de cuecas por ano.

Duas feiras eficientes

Para a agenda dos nômades da moda: Julio Viana, o Julinho, diretor da Expovest, vai organizar duas novas feiras: a Fenim Primavera-verão e a Fenim Alto-verão, ambas estreando já neste ano.
Fenim – Feira Nacional da Indústria da Moda – edição Primavera-verão 2008/2009 acontecerá de 17 a 20 de junho no Centro de Eventos do Serra Park, em Gramado (Rio Grande do Sul)

A Fenim, edição Alto-verão, marca a ampliação do trabalho da Expovest, porque a equipe gaúcha se desloca para Recife, para o Centro de Convenções Pernambuco, de 2 a 4 de setembro.
Serão dois eventos imperdíveis, porque contam com o profissionalismo e estratégia do Julinho, o melhor organizador de feiras de moda do Brasil, responsável por fazer de Blumenau um pólo lançador importante, que agora troca por Gramado, seu ponto de referência e pelo Recife, cidade ideal para as novas idéias de verão. Sempre com Solange Motta como intermediária da imprensa.


Sunday, February 17, 2008

Madri
SIMM / Semana Internacional de Moda de Madri


Pablo Ramirez







Pablo é uma espécie de Marco Rica da Argentina. Nosso estilista também tem suas raízes espanholas, e os dois são mestres absolutos na alfaiataria. Para o inverno 2008/2009 Pablo vê tudo preto. Inspirações gauchescas se refletem nas calças e pregas tiradas de bombachas e outros trajes dos pampas, tanto roupas de trabalho como de festas.
É sempre emocionante seu desfile, mas o anterior, realizado em setembro de 2007 tinha mais apelo, porque homenageava as mães de Plaza de Mayo, as modelos com lenços brancos na cabeça e vestidos estilo New Look, como usava Evita Perón. Mas continua sendo um grande espetáculo, com camisas brancas de laços de pontas longas nas golas, sob vestidos, casacos e vestes montadas em pregas ou modeladas e ajustadas por pences. Tem que ser muuuito magra para vestir, mas Paula Cipriani, editora argentina, me garantiu que ele vende muito bem em Buenos Aires e adjacências. Todos os looks são completados por chapéus e lenços pretos, botas de plataforma e cano longo.


Pablo acerta menos na moda masculina. É muito mais irreal e fantasiosa do que a feminina. Calças largas e retas, casacos curtos, nada que motive um homem a aderir.
É um excelente criador, original, autor de roupas perfeitas para mulheres que sabem preencher um espaço. Sabem, aquele look que abre um vazio à volta, porque todos querem admirar a criatura? É isto, uma moda que abre caminhos.

Intervalo / programação noturna de sábado, pelo menos para a turistada? Como a TAM abriu a linha direta para Madri, a Plaza Mayor estava cheia de brasileiros. A indicação do grupo de expositores é o Santa Gula, de uma brasileira / O que se come: tapas, que são bandejas de frios, friturinhas de camarões e lulas, bolinhos de batata e carne, tortillas, pimentões assados, delícias acompanhadas por sangrias e vinho / à meia-noite, pontualmente, apagam-se as luzes da Puerta del Sol, point do agito de rua

Saturday, February 16, 2008



Miguel Vieira

O português que desfila também na São Paulo Fashion Week mudou do branco, que sempre apresenta no Brasil, para o preto. Todo em preto, tanto no masculino como no feminino. Os homens, sempre de óculos de grau, armação pequena...e preta, com calças e paletós de look acetinado matelassê, ou paletó estreito, apertado por cinto fininho, ou em belo smoking de veludo. Aliás, como vimos smoking nesta semana de Madri. Sinal de país festeiro.
Para as mulheres, imaginem tops com brilho e saias com roda, montadas em pregas soltas, pelos joelhos ou pouco acima. Com meias pretas e sapatos de verniz. O jogo de opaco e fosco marcou todo o desfile, sempre há nem que seja uma tirinha de verniz sobre um tecido opaco. Repito: tudo preto.
Dispensaria os modelos com aplicação de franzido ou dobradura na frente. E botaria pelo menos um gloss nos lábios das modelos. Ou será que o desfile do Carlos Valenzuela acabou com o estoque de batons do evento?

Intervalo / para quem se pergunta por que estou atualizando mais rápido o site, a explicação é simples. Acabou a Pasarela Cibeles ontem, hoje sumiram todos os repórteres e fotógrafos madrilenhos, a sala de imprensa bancada pela Telefonica está deserta, com cabos de rede soltos pelas mesas. Que paraíso! / almoço de feira: churrasco e batatas fritas, de bandeja. Que carne! Um entrecote cheio de gordurinhas, daqueles que a gente normalmente finge que não gosta. Ô país para se comer bem

Thursday, February 14, 2008

Francis Montesinos
Um desfile bem longo. A luz apagava, acendia de novo e entrava mais uma linha. Bons tricôs trançados, um lance de androginia combinado com jeitinho college, com escudos. Ou o estilo suéter de tenista, em cinza com risca vermelha no decote em V.Depois, malha em listrados de cinza e salmão, redingotes de couro preto. Apaga, acende, e entra uma linha op-art, com broches de círculos e quadrados, listrados em preto e branco. Apaga, acende, e é a vez de um estilo festa, de longos vermelhos com aplicações de louros dourados. No final, meia hora depois, veio a noiva de véu e guirlanda prateada.

Intervalo / no mesmo pavilhão da Pasarela Cibeles – é assim mesmo, passarela com um S só -, está montada a expo em homenagem à moda espanhola. São fotos em clima kitsch, assim como o ambiente, que parece um jardim de anões e bichinhos de cerâmica, flores artificiais e cestinhas de vime. Nas imagens, quem se sai melhor como estilista: Elio Bernhayer, com vestidos com estampas japonesas e Dolores Cotés, com maiôs de fechos; os longos de Jesús de Pozo, com gargantilha de 40 mil euros. Faltou folha de créditos, dizendo quem foi o fotógrafo, de quem são as produções. Bem trabalhosas, por sinal, porque cada foto tem filhotes de bichos, flores, móveis antigos, os estilistas de guarda-pós brancos, várias modelos

Devota & Lomba
Masculino e feminino nesta coleção construída em couros e astracãs. Calças skinny, casacos curtos ou longos, um leve ar de robô em detalhes como retângulos aplicados na frente ou nos ombros dos vestidos e casacos feitos em tecidos rígidos. Têcnicas de origami reforçam a idéia de conceitos de geometria e matemática, tão em evidência atualmente.Mangas em placas, como armadura, bustos de longos amarelos montados em dobraduras. Bonito, o conjunto. Mas a sandália em verniz azulão, apesar de individualmente também bonita, ficou meio desencontrada com a austeridade das roupas.

Friday, February 08, 2008


Ronaldo Fraga vai para Londres

Ronaldo Fraga vai participar da mostra Brit Insurance Designs of the Year, que abre no dia 13 de fevereiro, no Design Museum, de Londres. A expo reúne 100 designers do mundo, divididos em categorias: arquitetura, gráfica, moda, produto, móveis, transporte e interatividade. E não é só isso: no dia 11, haverá premiações para cada categoria.
Ronaldo leva a coleção da China, para concorrer com John Galliano e Dai Fujiwara (estilista do Miyake).
A mostra fica no Design Museum de Londres até 27 de abril.
Design Museum: Shad Thames, Londres
Ingressos a 8,50 libras; crianças até 12 anos não pagam

Lingerie, borboleta e saldos



Esta imagem é da campanha de lançamento da lingerie da Stella McCartney. Engraçado, como este setor da moda se modificou, está mais visível, e no entanto, recorre aos modelos antigos, mais fetiches, como a cinta-liga, em tempos em que nem usamos tantas meias assim. Mas é a voz do consumo feminino, que exige funções além da simples vestimenta da roupa de baixo. Ela virou atitude e afirmação.




Em compensação, os homens também enveredam por caminhos antigos, de outras formas. Vejam este néo-dandy do Paul Smith, recém-desfilado em Paris. Um cabelo romanticamente descabelado, um ar de boêmio e a gravatinha borboleta.

foto Marina Sprogis

Tenho a impressão que os lojistas dos shoppings estavam despreparados para a invasão de pessoas na quarta-feira de cinzas. No shopping da Gávea, acabaram os pães de queijo, o sorvete de menta, as filas para os parquinhos estavam imensas, era uma multidão saudosa de seu programinha de compras e lazer.

O Barrashopping também borbulhava de gente. Foi bom ver as novas lojas. A Hope ficou linda, a Billabong é interessante, ousada na falta de vitrines, abre direto para o mall. Mas a área nova, tão ampla e bonita, não pegou, tem várias lojas fechadas.Em compensação, tem a Puma, ótima.
A praça de alimentação também foi arrasada pelos comilões. O hot dog do Bob's acabou rapidinho. O suco de laranja voltou a ser uma delícia, com gominhos de verdade.

Todos e todas perguntam: o que comprar nos saldos? Segue uma listinha básica, com o conselho de sempre: enfrentem a cabine de provas. Sempre desconfio de mercadoria muito barata. Ou é muito feia, ou foi lançada cedo demais ou veste mal.
Calças pretas de alfaiataria, sem cós baixo demais
Camisas brancas com detalhes de preguinhas, nervuras ou babados
Vestido preto, curto ou longuette
Jaqueta de couro masculina
Jeans escuro masculino ou feminino
Saia lápis
Sapatilhas
Mocassins lisos, masculinos


Saturday, February 02, 2008




Carnaval está na moda

Os vips que vão se esbaldar nos camarotes do Sambódromo tém mordomias ótimas. O camarote Rio Samba e Carnaval, pioneiro nos camarotes, desde os tempos da Avenida Presidente Vargas, por exemplo, conta com o salão Beauty Center com produtos da L’ Oréal Professionnel para quem quiser ficar com look carnavalesco, cabelos esculpidos com Hair Mix, Tecni.Art e Play-ball. E ainda ganham uma mochila com o Spiral Splendour da Hair Mix, um produtinho que amacia e tira o frizz dos cabelos. Olha lá, convidada vip, chegue cedo, porque são só duas mil mochilas!



VICTOR DZENK VESTE MUSAS
Pode ser uma melindrosa cool como esta, em cinza e preto, que ainda fará sucesso nas festas de inverno. Pode ser um longo decotadão, com estampas de Rio, de Copacabana, de praia. Tudo, com a grife do mineiro Victor Dzenk, que vai vestir Preta Gil com minikaftans em Salvador; Grazi Massafera com vestido dourado, Luiza Brunet e Natalia Guimarães com o que mais gostarem da coleção desfilada no Copa. Aliás, são do Victor também os uniformes da equipe do baile do Copa.


Nas fotos, a melindrosa Art Deco da coleção de inverno (foto Eduardo Alonso) e o estilista com a estrela Preta Gil


Beleza advanced
Neandro Ferreira, hair stylist de vanguarda, está no Care Body & Soul, da Ivani Werneck (na moda carioca, conhecida como Pimenta)
Care Body & Soul – Rua Barão de Jaguaripe 289, Ipanema Tel.:21-3813-0560

Mais Vivienne
Quem vai para São Paulo ainda pode ver a expo de sapatos da Vivienne Westwood. Depois da instalação na São Paulo Fashion Week, os sapatos que derrubaram Naomi ou com forma de pênis estão no Centro Brasileiro Britiânico, em Pinheiros.
A exposição é aberta ao público e a entrada é franca De 6 a 29 de fevereiro, não abre aos domingos Edifício Cultura Inglesa (Rua Ferreira de Araújo, 741 / Pinheiros – SP Galeria Melissa

Saldos
Ôba, a Luli Bevilaqua liquida suas maravilhosas bolsas e sandálias. Os preços ficam entre R$ 40 e R$ 290. Este é o preço desta bolsona bronze, que custava R$ 620 e está por R$ 290.
LULÍ BEVILAQUA Rio Design Leblon – Rua Ataulfo de Paiva, 270/ loja 305 tel (21) 2294.4635

Ôba, ôba, a Nike inaugura um outlet em São Gonçalo no dia 7 de fevereiro! São 710m2 de espaço cheio de ofertas em artigos esportivos de coleções anteriores. Como a Nike tem um estilo atemporal, que não sai de moda, vale encarar um aerobarco ou a ponte Rio-Niterói e ir até lá, caso não sejamos moradoras de Niterói e adjacências.
Ué, acharam longe? E quando brasileiros vão para Miami não encaram uma estrada de quase uma hora para ver as ofertas no Sawgrass Mills? E vamos combinar que nem são tão irresistíveis assim.
Outlet Nike: Av. São Gonçalo, 100 / rodovia Rio/Manilha Fone – 21/3525-9849 Parcelamento em até 5 vezes com parcela mínima de R$ 60,00 no cartão de crédito.
Ah, não se animaram a ir até a Rio/Manilha? Ok, enfrentem a linha Amarela, que a Nike tem outro outlet no shopping Nova América, em Del Castilho.


Tá na hora
A Swatch lanca a linha Irony Chrono Retrogade, para os pulsos masculinos.
Os modelos são aparentemente tradicionais, mas com a tecnologia de cronógrafo. Por exemplo, o subdial na hora 6 é um contador. Esta é uma das novidades, há muito mais nos mostradores dos quatro modelos
Vejam mais detalhes em www.swatch.com e saibam endereços mais próximos em (11) 3016-4580


Premiados e merecidos
A Fábrica de Idéias ganhou o prêmio de criação publicitária da Intertv, pela campanha de dia das Mães do Cadima Shopping. Sabem por que comento esta premiação? Porque o Rodrigo Queiroz e a Valéria Lattanzi, sócios na Fábrica há 13 anos, batalham muito pela feira de lingerie de Nova Friburgo. São eficientes e incansáveis, merecem prêmios.



Ei, já viram a Coleções? A que tem a Carol Castro que nem bonequinha na capa? Tem que ver, até eu achei as fotos internacionais incríveis.