Monday, January 29, 2007

Huis Clos, à vontade

O universo dos verdes, dos quépis, dos bolsos pregueados e das jaquetas de aviador foi mais uma vez integrado ao guarda-roupa brasieiro de inverno. Quando pareece que as calcas cargo e a estampa camuflada já estão na vala da roupa de rua, Clô Orozco, um dos grandes nomes da moda paulista, volta ao tema. Pela cor e pelos detalhes acima relembrados, nota-se a volta aos uniformes. A sarja é trocada pelos cashmeres, algodões e sedas com inox, reinventa-se a modelagem das calças, com o cós largo e amarrado e sofisticam-se a parka e os blusões de trincheira. É uma guerra de bainhas franzidas, que arredondam as silhuetas das jovens modelos e das mais senhoras, que acompanharam o passo rápido das meninas. Com uma diferença, que denuncia a distância de gerações: as lindas senhoras não resistiam à emoção de estar sobre a passarela de ferro, e sorriam, atitude quase proibida nos shows da moda atual.
Nos acessórios, chapêus híbridos de quépi e viseira e sandálias de plataforma, tipo anos 40, em couros de avestruz e camurça, com meias opacas.
O elenco de idades variadas exemplifica a abrangência das propostas de Clô Orozco. Pelas formas amplas, que tanto ficam soltas como são apertadas por faixas, pelos comprimentos clássicos, as fardas da Huis Clos vestem toda a tropa de adeptas do seu jeito especial de fazer moda.

Rodapé / a música não combinou com o desfile da Huis Clos. Talvez rock demais, voz chata, algo assim / a sala 1 virou o melhor espaço da Bienal, porque possibilita muitos formatos de platéia e passarela. Mas não é aconselhável para quem tem claustrofobia ou qualquer síndrome do pânico. Ver as portas de saída totalmente lotadas de convidados querendo sair ao mesmo tempo provoca apreensão. Um dos bombeiros da brigada de incêndio, indagado sobre outras saídas, em caso de emergência, apontou desanimado para uma lateral da sala. “Alí tem uma porta, que pode ser aberta. Deveria haver uma escada, que não tem. O que se pode fazer é pedir calma aos convidados...” / Cynthia Garcia relança a Enciclopédia da Moda, da Georgina O’Keefe, com muita atualização brasileira